MORTALIDADE MATERNA É ALTA NO PARANÁ


Dos oito Objetivos do Milênio, a redução da mortalidade materna é a meta ainda mais difícil de ser alcançada

Os indicadores mostram que a situação da gestante não vai bem no Paraná. O Estado é destaque ao promover ações efetivas para o alcance dos Objetivos do Milênio, mas apesar dos avanços, é necessário um esforço ainda maior para que o Objetivo 5 – redução da mortalidade materna – seja alcançado no tempo previsto. A afirmação é do presidente do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Rodrigo da Rocha Loures, que participou na última terça-feira (18), do encontro “Garantindo a Saúde da Gestante”, realizado pelo Sistema Fiep, por meio do Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial (CPCE), Movimento Nós Podemos Paraná e o Observatório de Indicadores de Sustentabilidade (Orbis).
O encontro reuniu mais de 30 instituições ligadas à saúde. Os participantes concluíram que o grande desafio é melhorar a qualidade dos serviços de atendimento à gestante para que a meta de reduzir em 75% a mortalidade materna até 2010 seja alcançada. A ONU estabeleceu como data limite o ano de 2015, mas no Paraná a meta é antecipar o alcance dos oito objetivos para 2010. Desde que a meta foi estabelecida, em 1990, o Paraná conseguiu reduzir o índice em apenas 36,8%. “Ainda estamos longe de alcançar a meta e precisamos intensificar as ações”, reforçou Rocha Loures.
Entre as ações propostas pelo grupo reunido no encontro destacam-se: a criação de Centros Regionais de Referência de Capacitação e Pesquisa para atendimento ao parto humanizado, o monitoramento da gestação de alto risco, a prevenção da hipertensão arterial e de infecções, a garantia de um pré-natal de qualidade, com acompanhamento das gestantes, a qualificação dos profissionais e a promoção da educação sexual em escolas e empresas, como forma de prevenir a gravidez precoce.
Durante o encontro foi criada a Rede para melhorar a saúde das gestantes no Paraná, que será a responsável por colocar em prática as propostas eleitas, nas sete linhas de ação: planejamento familiar, parto humanizado, campanhas, pré-natal, capacitação de gestantes e comunidades, gestantes de alto risco e capacitação de profissionais.
Os resultados do encontro de Curitiba estão sendo apresentados nesta quarta-feira (19), em Brasília, na I Conferência Brasileira de Monitoramento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio do Setor Saúde, e I Conferência Internacional de Monitoramento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio do Setor Saúde, promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). A coordenadora do Movimento Nós Podemos Paraná, Maria Aparecida Zago, participa do painel “ODM 5 – Melhorar a saúde da gestante”, onde apresenta as propostas paranaenses para reduzir os índices de mortalidade.
As propostas também serão levadas ao “World Family Summit +4”, que acontecerá de 1º a 4 de dezembro, no Cairo, no Egito. O presidente do Sistema Fiep apresentará o trabalho no Movimento Nós Podemos Paraná e a ação coletiva para implementar ações e projetos que contribuam para melhorar a saúde da gestante e aproximar-se do alcance da meta.
Situação delicada – Dados do Comitê de Prevenção da Mortalidade Materna e infantil do Paraná revelam uma redução lenta nas taxas de mortalidade. O Pacto Nacional de Redução da Mortalidade Materna e o Objetivo do Milênio nº 5 prevêem uma redução de 75% nas taxas de mortalidade materna até 2015, tendo como referência a razão de mortalidade materna de 1990. “O Paraná apresenta redução em suas taxas, mas ainda em ritmo lento, de apenas 2% ao ano, quando deveria ser, no mínimo, 4% ao ano para atingir a taxa pactuada para 2015, estimada em 39 por 100 mil nascidos vivos”, disse Vânia Muniz, do Comitê de Prevenção da Mortalidade Materna.
Em nove anos (1990 a 2006) a taxa de mortalidade materna diminuiu 36,8% no Estado. No biênio 2005-2006, foram 62 mortes por 100 mil nascidos vivos, índice elevado se comparado ao aceitável pela ONU, que é de 20 por 100 mil nascidos vivos. “Precisamos reduzir as mortes maternas em mais de três vezes, e para isso precisamos de uma ação conjunta entre os diversos setores para apoiarmos o poder público”, enfatizou Rocha Loures.
Estudos comprovam que a mortalidade materna atinge especialmente as mulheres de baixa renda, pouca escolaridade e dificuldade de acesso a serviços qualificados. “Para prevenir a morte materna são necessárias medidas que promovam a melhoria da situação sócio-econômica das mulheres, bem como da infra-estrutura e organização dos serviços e a melhor qualificação dos profissionais que atuam na obstetrícia”, afirma Vânia Muniz.
A situação do Paraná, entretanto, não é isolada. Dados do Relatório sobre a Situação da População Mundial 2008, divulgado pelo Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa), mostram que o número de mulheres que morrem em decorrência da gestação e do parto permanece basicamente inalterado desde 1980. A média é de 536 mil óbitos por ano em todo o mundo. Outros cerca de 15 milhões de mulheres sofrem lesões ou adoecem.

Esta entrada foi publicada em Estadual, FIEP. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s